PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Artigo sobre Piquiá de Baixo rende premio Nacional para Açailândia

Por meio de análise documental e entrevistas com moradores, as pesquisadoras apresentam como o processo de mobilização da comunidade de Piquiá de Baixo, localizada em Açailândia-MA, que luta há mais de 10 anos pelo reassentamento em local longe da poluição ocasionadas pelas atividades da cadeia minero-siderúrgica, tem se transformado em espaço de fortalecimento dos Direitos Humanos.

Ao todo, foram 18 trabalhos  premiados em quatro categorias: Reportagens Jornalísticas, Práticas Humanísticas, Trabalhos Acadêmicos e Trabalho de Magistrados. O júri que analisou os trabalhos é formado por professores, desembargadores, procuradores e jornalistas.

Para Roseane Arcanjo, professora adjunta no curso de Jornalismo da UFMA, “a premiação é muito representativa. Mostra o compromisso da Justiça nos Trilhos, da Associação dos Moradores de Piquiá e da UFMA com a defesa de um desenvolvimento social e econômico que respeite os direitos de todas as comunidades.”

“Ao fortalecer a luta dos moradores, a Universidade Federal do Maranhão, através do Curso de Jornalismo, reafirma seu compromisso com a defesa da vida, dos Direitos Humanos e dos interesses coletivos”, acrescenta Roseane.

Na solenidade de premiação, Idayane Ferreira, jornalista da Justiça nos Trilhos, reafirmou que o artigo tem por objetivo criar narrativas que correspondem com a história de resistência e promoção da cidadania da comunidade de Piquiá de Baixo. “Esse trabalho em específico fala sobre como a luta de Piquiá é um processo cidadão. Na falta das políticas públicas e sociais, a comunidade se uniu para reaver os seus direitos e tornar real o que as outras pessoas chamariam apenas de sonho”, ressalta.


“Eu me senti representando quase 400 famílias! Olha a responsabilidade e a emoção! Em um espaço como o Tribunal de Justiça, fiz questão de ressaltar a importância do Ministério Público no processo de reassentamento de Piquiá. O trabalho humanizado do jurídico faz muita diferença. Eu sei das limitações do Ministério Público e outros órgãos, mas ainda assim, no caso de Piquiá essa parceria forte, provocada pela organização dos moradores resultou em grandes frutos”, comemora, Idayane.

Justiça nos Trilhos

Comentários

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE