SKILL.ED - AÇAILÂNDIA

NOVEMBRO AZUL - PREFEITURA DE AÇAILÂNDIA

MARANHÃO: ALUNO COM QUADRO GRAVE DE SAÚDE SE FORMA EM BIOLOGIA E TRANSFERIDO EM UTI AÉREA PARA SÃO PAULO

O maranhense Geovane Ferreira da Silva, de 27 anos, internado em São Luís com um quadro de Encefalite Necrotizante Cerebral, se formou no curso de licenciatura de ciências biológicas da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) nessa quarta (11).

A cerimônia especial de colação de grau aconteceu no auditório central do Hospital Universitário da UFMA, onde Geovane está hospitalizado, e contou com a participação dos amigos de curso, profissionais da saúde que o acompanham e professores.

A outorga de grau foi entregue pela coordenadora do curso de biologia, Fernanda Fernandes, que representou o reitor da UFMA, Natalino Salgado Filho. Após a cerimônia, Geovane seguiu para o aeroporto de São Luís, para ser transferido em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea para um hospital de Hortolândia, em São Paulo.

Geovane Ferreira é natural de Zé Doca, cidade a 302 km da capital maranhense, mas mora em São Luís, desde 2017, quando foi aprovado para cursar Ciências Biológicas, no campus do Bacanga, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Entretanto, a família dele mora em Hortolândia, interior de São Paulo.

Antes de descobrir a doença, o universitário morava sozinho em São Luís. Com o diagnóstico, a irmã dele, Vera Lúcia Ferreira, que mora em São Paulo, veio para a capital maranhense acompanhar o irmão durante seu tratamento.

Ao g1, ela explica que não tem mais condições de ficar cuidando do irmão em São Luís, sem o suporte da família. Por isso, fez uma 'vaquinha virtual' para conseguir contratar uma UTI aérea e levar o irmão de volta para casa. A transferência custa em torno de R$ 138 a 150 mil.

"Nós não moramos no estado e fica inviável os custos de viagem. Não temos mais disposição para ficar em São Luís com ele e por conta do trabalho, está impossível ficar aqui no Maranhão. Em Hortolândia, vou poder dar todo apoio ao meu irmão e ficar perto nossa família", disse Vera Lúcia.

Diagnóstico

Os primeiros sinais de que alguma coisa estava errada surgiram em novembro de 2022. Geovane Ferreira procurou uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), em São Luís, após sentir formigamento nas pernas, dores de cabeça e apresentou um quadro de confusão mental. Exames constataram que ele estava com uma hemorragia cerebral.

Vera Lúcia Ferreira, conta que, em menos de 24 horas após o primeiro diagnóstico, Geovane perdeu os movimentos do corpo. Com o agravamento no quadro, ele foi transferido para o Hospital Universitário Presidente Dutra, em São Luís, onde permanece internado.

"Os médicos perceberam que ele tinha vários pontos de hemorragia e eu já vim de Hortolândia para cá, porque já fiquei preocupada, porque disseram que ele estava internado e havia apresentado uma disfunção renal", conta Vera Lúcia.

Durante este período, ele precisou ser internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e entubado. Novos exames constataram que Geovane estava com um quadro grave de Encefalite Necrotizante Cerebral.

A irmã conta que o Geovane não está mais internado na UTI, entretanto, não tem reagido a nenhum estímulo. Vera Lúcia disse que, os médicos, afirmaram que ele possui sequelas neurológicas graves e que podem ser irreversíveis. "A situação dele agora é estável, as lesões estão controladas, mas os médicos não sabem, por conta das lesões, que foram atingidos e são pontos importantes", disse.

Ela conta que o Hospital Universitário deu todo o suporte para conseguir a transferência de Geovane para São Paulo. A equipe chegou a tentar encaixar o paciente na modalidade Tratamento Fora do Domicílio (TFD), que poderia ser custeado pelo Estado, mas não conseguiu, devido ao fato dele residir em São Luís.

G1/MA

Comentários

PUBLICIDADE ATEX TELECOM

PUBLICIDADE ATEX TELECOM

CÂMARA MUNICIPAL DE AÇAILÂNDIA

WIZARD BY PERSON - AÇAILÂNDIA